Campinas: Delegacia de proteção aos animais investiga abate de capivaras

A delegada titular do setor de defesa dos animais da cidade de Campinas, Rosana Mortari, instaurou, nesta quinta-feira (24), um termo circunstanciado para apurar em que condições foram abatidas as capivaras que estavam no parque do Lago do Café. O objetivo das investigações é saber se o abate foi feito conforme as recomendações do Ibama, uma vez que a delegada não foi avisada e, assim, não pôde acompanhar o processo.

A partir desse termo circunstanciado, a delegada deve chamar algumas pessoas para depor nos próximos dias e aguarda também o resultado dos laudos, que foram feitos no Lago do Café para concluir a investigação paralela sobre maus tratos.

Entenda o Caso

As capivaras que estavam confinadas no Lago do Café, em Campinas, foram abatidas na noite de sábado (12), em uma operação que envolveu técnicos da Vigilância Sanitária e de setores da prefeitura municipal. O processo de eutanásia, realizado entre as 16h e 21h, foi realizado por pelo menos 25 pessoas. De acordo com a prefeitura,  não foi divulgado com antecedência por se tratar de “assunto técnico, em que não é necessário avisar a população”.

Eutanásia

Entre 2006 e 2008, três funcionários da prefeitura que trabalhavam no Lago do Café morreram com febre maculosa. O parque, uma das principais áreas de lazer de Campinas, foi interditado por causa da infecção do carrapato-estrela. Nos últimos dois anos, foram registradas sete mortes por febre maculosa na cidade.

A eliminação das capivaras, hospedeiras do carrapato-estrela, que transmite a febre maculosa e, por isso, representam risco à saúde de quem freqüenta a área, viraram motivo de polêmica entre a prefeitura e um grupo de ambientalistas da cidade, que tentaram na Justiça impedir o abate, mas não conseguiram.



Manifestação

No domingo (13), representantes do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais de Campinas, do Peta, da Associação de Amigos dos Animais de Campinas (AAAC) e dos Ativistas Veganos Independentes usaram cruzes, cartazes e acenderam velas, para informar a população sobre a morte das capivaras.

Na noite de sábado, pelo menos 30 pessoas, representantes do conselho e de outras entidades de proteção dos animais foram até o Lago do Café, depois de serem avisados por moradores vizinhos do parque sobre o abate, mas foram impedidos de entrar pela Guarda Municipal, que chegou a jogar gás de pimenta, de acordo com o presidente do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais.

Fonte: EpCampinas

Campinas: Delegacia de proteção aos animais investiga abate de capivaras
Rate this post




Deixe seu comentário